ALMADA: O CRISTO REI RECEBE-NOS DE BRAÇOS ABERTOS

É impossível chegar à Pousada de Juventude de Almada e não soltar um «wow». A vista é qualquer coisa… Tem-se uma perspetiva incrível da Ponte 25 de Abril, Lisboa ao fundo e o Tejo azul, brilhante, logo ali em baixo.

Outra vista panorâmica inesquecível da capital é a que teremos mais tarde do alto dos 110 metros do Cristo-Rei. Toda a gente que visita Lisboa deveria vir aqui, à margem esquerda do estuário do Tejo, onde Almada mora, ver esta perspetiva da cidade, que se pode ter até enquanto se pratica desporto.

Se és adepto de caminhada ou de ciclismo, não podes deixar de fazer a Rota do Penhasco. És tu de um lado e Lisboa do outro, pois esta rota acompanha a beira do rio da antiga Almada.

E olha que Almada é bem antiga, anterior à Nacionalidade! Chamava-se, antes, “Almadan”, que significa mina de ouro ou prata, numa referência à atividade de exploração mineira que ali existiu. Almada recebeu foral de D. Afonso Henriques em 1170, pouco tempo depois de ter sido conquistada aos mouros (1147). Durante muito tempo as classes abastadas de Lisboa tinham em Almada o seu destino de descanso e veraneio, dada a sua localização privilegiada. E as suas praias, pois claro!

São 13 quilómetros de extensão de praias, especialmente concorridas nos meses de Verão (uma curiosidade: a cada ano, cerca de 8 milhões de pessoas põem os pés nas praias de Almada!). A Costa da Caparica até teve direito a uma canção, a inesquecível “Sol da Caparica” dos Peste & Sida, que reza assim: “Aqui vou eu/para a Costa/Aqui vou eu cheio de pica/De Lisboa vou fugir/Vou ‘pó’ sol da Caparica”.

Nem vai ser preciso esperar por mais perto do Verão. Se a meteorologia não se enganar, nesta Páscoa já deves poder dar mais do que passeios nas praias da Costa. Com tanta gente a vir de Lisboa para aqui “curtir”, não é de estranhar a animação noturna no centro histórico, a “Almada Velha”, como lhe chamam, onde há ruas estreitas, com muito para contar, cheias de restaurantes e barzinhos.

Não te percas pelas ruas de Almada Velha só de noite. Reserva um tempinho de dia para passeares por lá. É que há alguns sítios que vindo a Almada tens de conhecer.

Anota aí: a barroca Casa da Cerca, enfeitada com toda a elegância de uma casa portuguesa desde o começo do século XX,, o o seu Centro de Arte Contemporânea e o agradável jardim botânico; o histórico Solar dos Zagalos com o seu rico património e os grandes e cuidados parques e jardins da cidade, que garantem a quem cá vive um estilo de vida saudável e aprazível. Tens o Parque da Paz, a Mata dos Medos, o Jardim dos Capuchos e, ainda, a pitoresca zona ribeirinha e o bonito Jardim do Rio.

No Castelo de Almada, espera-te mais um magnífico ponto de observação do Rio Tejo e da cidade de Lisboa.

E por falar em rio, não te esqueças de visitar o Museu Naval, aberto em 1991. Alberga uma das coleções mais importantes de memória e identidade de Almada, separada entre construção naval tradicional, ferro e aço, técnicas de pesca artesanais tradicionais, ferramentas relacionadas à construção naval e reparo de navios. Daqui podes partir, depois, para o Convento dos Capuchos, um antigo mosteiro franciscano que foi restaurado em 1558 por Lourenço Pires de Távora. Visita também o jardim de pinheiros. Temos a certeza de que vais ficar com vontade de conhecer melhor a história deste espaço. E de voltar a Almada também!

Pousada de Juventude de Almada
Preço: Desde €13/noite

2018-03-14T11:49:42+00:00

Leave A Comment